PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 18ª SUBSEÇÃO DE JACIARA

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Julho de 2022 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # # # 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 # # # # # #

Artigo | mais artigos

Maternidade atípica: 21 de março - Dia Internacional da Síndrome de Down

Data: 19/03/2022 17:00

Autor: Fernanda Cardoso

imgDentre tantos papéis que eu desempenhei e desempenho ao longo da minha vida, ser uma mãe atípica tem sido o mais desafiador de todos eles.
 
A mãe atípica traz em sua essência uma obstinação por fazer o melhor que puder para seu filho. Podemos dizer que todas as mães também o fazem? Sim. Porém, as mães atípicas sabem que, da sua dedicação depende a possibilidade ou não do seu filho ter uma vida mais próxima da independência e “normalidade”. E isso é muito grande!
 
No caso do meu filho, André Luiz, que tem síndrome de down, eu acordo todos os dias sabendo que o desenvolvimento dele, tal qual sentar, comer, andar, falar, dentre outros, depende do estímulo precoce. Quanto mais cedo, melhor!
 
Literalmente é uma corrida contra o tempo, lembrando que não basta somente a estimulação, ela precisa ser assertiva e adequada para as características individuais do meu filho.
 
Então, essa mãe, que antes se preocupava em verificar as roupas mais bonitas, os brinquedos mais legais e poderia esperar, com a mesma certeza de que o sol vai brilhar, que seu filho típico iria andar, falar, correr, se alfabetizar, formar uma família... enfim... essa mãe, agora de um filho atípico, passa a se preocupar com tratamentos eficientes, exames complementares, direitos e ações para inserir esse filho na sociedade de maneira digna. Absolutamente tudo é mais complexo, mais intenso e, por consequência, cada pequena vitória tem um valor inexplicável. 
 
Esse pequeno relato não consegue traduzir minimante o que passa, pensa e sente uma mãe atípica, e somente essas compreenderão de forma plena as entrelinhas desse texto.
 
A maternidade por si é, em regra, um divisor de águas na vida de uma mãe. E a maternidade atípica é um divisor de águas na essência dessa mãe.
 
* Fernanda Cardoso é membro da Comissão de  Defesa dos Direitos de Pessoas com Deficiências da OAB-MT